domingo, 6 de julho de 2008

Cientistas inserem LCD em lente de contato

por Raphael Monteiro - Imagine estar andando na rua e no canto de seu campo de visão surge um envelope indicando um novo e-mail em sua caixa de mensagens, ou estar em uma auto-estrada seguindo a direção de uma “seta” virtual que aponta para onde deve ir, isto tudo simplesmente flutuando em seu campo de visão do mundo real.

Apesar de parecer um cenário de filme de ficção, esta realidade pode estar mais próxima. Cientistas da Universidade de Washington construíram o primeiro circuito eletrônico completamente funcional sobre uma lente de contato. O novo sistema esta sendo testado em coelhos e ao que os experimentos indicam é biologicamente inerte não causando danos ou alergia aos olhos.

Telas virtuais têm uma infinidade de aplicações, o que tem gerado um intenso interesse no seu desenvolvimento. Elas poderão ser utilizadas para mostrar todas as informações do painel dos automóveis para o motorista sem que ele precise desviar o olhar da estrada.

Ao invés de abrir o celular para ver as últimas mensagens recebidas, o usuário poderá simplesmente ler o email mais recente diretamente à sua frente, como se estivesse diante de uma gigantesca tela, preenchendo todo o seu campo de visão. E com total privacidade, porque ninguém mais verá a imagem. "Olhando através da lente (quando totalmente pronta), você poderá ver que a imagem está sendo gerada superposta ao mundo lá fora," diz o pesquisador Babak Parviz.

Os circuitos eletrônicos e os LEDs necessários para o funcionamento da tela foram construídos sobre o material da lente de contato por meio de impressão. No protótipo a lente é transparente, sem nenhum grau corretivo, embora os pesquisadores afirmem que não há nenhum impedimento para que as lentes sejam também corretivas.

A lente de contato é maior do que a pupila do olho, o que significa que há muito espaço para que os pesquisadores possam incluir circuitos eletrônicos sem atrapalhar a visão normal do usuário.

O próximo passo da pesquisa é acionar uma tela de baixa resolução, com poucos pixels de largura, apenas o suficiente para avaliar a segurança e o conforto da nova tela virtual.