quinta-feira, 3 de abril de 2008

A década do MP3 Player


por Raphael Monteiro - Segundo alguns sites de busca, a história do mp3 como formato e como aparelho é um dos temas mais buscados na internet, e na comemoração de 10 anos deste aparelho e 20 anos do formato, o mr.BIN vem contar um pouco da história deste tipo de arquivo que revolucionou a indústria fonográfica junto ao advento da internet.

MP3 é um formato eletrônico que permite ouvir músicas em computadores, com ótima qualidade. A questão chave para entender todo o sucesso do MP3 se baseia no fato de que, antes dele ser desenvolvido, uma música no computador era armazenada no formato WAV, que era o formato padrão para arquivo de som em PCs, chegando a ocupar dezenas de megabytes em disco. Na média, um minuto de música corresponde a 10 MB para uma gravação de som de 16 bits estéreo com 44.1 KHz, o que resulta numa grande complicação a distribuição de músicas por computadores, principalmente pela internet. Com o surgimento do MP3 essa história mudou, pois o formato permite armazenar músicas no computador sem ocupar muito espaço e sem tirar a qualidade sonora das canções. Geralmente, 1 minuto de música, corresponde a cerca de 1 MB em MP3.

Em 1987, o IIS (Institut Integrierte Schaltungen), na Alemanha, juntamente com a Universidade de Erlangen, começou a trabalhar numa codificação perceptual de áudio para Digital Audio Broadcasting (Transmissão Digital de Áudio). Todo o trabalho resultou num algoritmo de compressão de áudio chamado MPEG Audio Layer-3, que tempos depois ficou conhecido como MP3. Um dos objetivos da criação deste formato era conseguir reproduzir som com qualidade de CD com uma taxa de compressão razoável. O MP3 conseguiu abaixar essa taxa para 128 e 112 KB/s. E mesmo assim a qualidade sonora foi mantida quase que totalmente. Isto foi possível graças às técnicas de codificação perceptual, que não é uma simples compressão de dados, mas sim, um método que consiste em somente utilizar as freqüências sonoras que são captadas pelo ouvido humano. Uma vez que um padrão de freqüência tenha sido definido para a audição humana, as demais freqüências (que não são captadas pelo homem) podem ser descartadas, já que não há razão para gastar espaço ao armazenar esses dados.

Após o enorme sucesso do formato nos computadores, surgia há dez anos o primeiro MP3 Player portátil do mundo, de acordo com o site “The Register”. De fabricação coreana, o MPMan tinha memória flash de 32 MB (suficiente para cerca de oito músicas) e um pequeno visor LCD com informações básicas sobre a faixa em execução. O aparelho revolucionário foi apresentado como protótipo na feira alemã de tecnologia Cebit em 1998. Em maio do mesmo ano ele começou a ser produzido em larga escala para o lançamento nos Estados Unidos e na Europa. Com 16,5 cm de altura o MPMan era fabricado pela Saehan Information Systems e custava US$ 250, mas passou a ser vendido por US$ 200 no ano seguinte para concorrer com o Rio PMP300. O rival também tinha 32 MB de memória, mas contava com entradas para aumentar sua capacidade.

Veja mais em:
http://www.mpmaneurope.com/


Compare Preços de: notebooks, mp3/mp4, pcs, monitores, videogames, celulares, câmeras digitais no Buscapé e Bondfaro.

quarta-feira, 2 de abril de 2008

Google em Marte e mudança no nome do Orkut?

por Raphael Monteiro - Quem acessou o blog oficial do Google nesta terça feira deve ter no mínimo se espantado com a divulgação do Projeto Virgle, uma Junção do Google com o grupo multinacional Virgin em um mega empreendimento de levar uma expedição tripulada a Marte. Se bem que levando em conta o tamanho e poder das duas empresas não era muito de se surpreender. Porém ao analisar melhor a data de divulgação descobrimos que se tratava de uma das tradicionais brincadeiras do site do dia 1º de Abril, conhecido como dia da mentira, mas não para por ai, alguém notou o nome “Yogurt” no canto esquerdo da tela ao logar no site de relacionamento? Pois é, até que não seria má idéia, mas o site também não mudou de nome, apenas mostrou ter senso de humor nesta bizarra terça feira de 1º de Abril.

Como é tradição todo ano o Google cria uma notícia falsa, Este ano, avisou que vai criar uma empresa em Marte, a Virgle, através de um comunicado de Richard Branson, presidente do grupo Virgin. Com a junção do nome das duas empresas na "empreitada", a equipe do Google criou até um logotipo para a Virgle. Veja a seriedade com que o anuncio foi postado:

"Google anunciou hoje o projeto Virgle - uma expedição humana em Marte. Segundo o blog oficial do Google, Larry Page, Sergey Brin e Richard Branson(fundador da Virgin) acreditam que a tecnologia contemporânea está suficientemente avançada para tornar este esforço um sucesso e econômico. “Esta é a hora da humanidade afastar da Terra e começar uma grande e longa jornada ao explorar as estrelas e criar a nossa primeira posição em outro mundo.”

“Para os próximos anos, iremos enviar uma série de naves espaciais carregando (juntamente com os suprimentos e ferramentas necessárias para criar a nova colônia) que eventualmente serão centenas de colonos para Marte, ou Pioneiros Virgle Pioneiros” escreve Richard Branson. Para se candidatar a Virgle, ou saber mais como será expedição(imagine um Planeta OpenSource), clique aqui para descobrir o que o futuro reserva para esses bravos pioneiros."

O nome “Virgle” veio da junção do nome Google com Virgin, grupo multinacional que possui empresas ligadas aos mais diversos sectores de consumo, presente em vasto número de países em todos os continentes.

Veja mais em:
http://www.google.com/virgle/index.html
http://br.youtube.com/projectvirgle

Unicamp usa 12 PS3 como Cluster

por Raphael Monteiro - A muito o publico já conhece o poder do processador Cell desenvolvido em parceria entre a Sony, Toshiba e IBM e que equipa como Unidade Central de Processamento o vídeo game PlayStation 3, devido ao seu elevado desempenho em processamento de ponto flutuante (o mesmo usado em clusters) tem se visto várias outras aplicações para o Cell, como modelagem 3d e renderização de imagens virtuais em tempo real. Talvez o mais inusitado tenha sido feito por uma pesquisadora da Unicamp, o que poderia ser uma LAN house dos sonhos, com o console mais caro da história dos videogames, é, na verdade, um laboratório que faz bilhões de cálculos por segundo para entender melhor a interação de anestésicos locais com membranas biológicas.

Os 12 PlayStation 3 estão ligados em rede formando um cluster de processamento rodando uma distribuição do Linux. Segundo a pesquisadora Monica Pickholz eles são mais estáveis que qualquer rede cluster que ja tenha sido feita. Os videogames funcionam 24 horas por dia, sete dias por semana. Só pararam uma vez, quando "acabou a força e o gerador não funcionou". Durante todo o tempo, os videogames fazem cálculos para simular dinâmicas de comportamento entre átomos.

A professora Monica, doutora em Física, diz que o projeto de pesquisa financiado pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo), comprou cada máquina no Brasil por cerca de R$ 2,58 mil - modelo com disco rígido de 60 GB. Conseguiu um total de 72 processadores, já que, efetivamente, são seis os centros de processamento ativos em cada PS3. O mesmo dinheiro, se aplicado em servidores convencionais, resultaria em apenas 32 processadores e menor poder processamento.

"Ocorre que o hardware do PS3 é barateado por expectativas de volume de vendas e ganhos com softwares (jogos), algo que não acontece no mercado de servidores", diz Martinelli. Ou seja, a Sony pretende lucrar com a venda de jogos, enquanto perde alguns trocados para ver sua base instalada de usuários aumentar. No entanto, o console da Sony não pode executar qualquer função na informática, segundo a pesquisadora. "O PS3 não é a salvação para todos os problemas, tem aplicações bastante específicas". Outros projetos pelo mundo também utilizam o poder de processamento do console com o chip Cell. Até mesmo a Sony se viu obrigada a instalar servidores de PS3 para hospedar as conexões de partidas on-line do jogo "Warhawk", recentemente lançado para o próprio PlayStation 3.

No campo científico, o projeto PS3 Grid vem com o subtítulo "PlayStation 3 a serviço da ciência". A iniciativa pretende reunir voluntários para pesquisas na área de simulação de dinâmicas moleculares. No site, os criadores citam um exemplo de mutirão de videogames dedicados aos cálculos. "Se mil pessoas se unirem nessa cooperativa, teremos uma força computacional equivalente a 16 mil computadores de processador simples", diz o texto de introdução.

Veja mais em

http://www.ps3grid.net/